Q

Quadras do Povo

João Nobre

Como a gente se habitua
A alguém, nunca entendi
A minha vida que é tua
Não sabe viver sem ti

Troca-se a vida num beijo
Tanto as trocámos meu bem
E é nos teus olhos que eu vejo
Que não vejo mais ninguém

Feliz do povo
Que para a vida ser bela
Basta uma quadra singela
Que lhe fale ao coração
Feliz do povo
Pois é feliz com certeza
Quem fez da própria tristeza
Desde há muito uma canção

Quatro letras tem o amor
As mesmas que o ódio tem
E numa jura a rigor
Há quatro letras também

Em quatro versos se encerra
Uma história, quem diria
Que em quatro palmos de terra
Tudo há-de acabar um dia

Feliz do povo...

Jurei-te um amor eterno
Com toda a sinceridade
Durou do Verão ao Inverno
Como é curta a eternidade

Desde que disseste um dia
Não te esquecerei meu bem
Meu amor já não confia
Na memória de ninguém

Feliz do povo...











Sem comentários:

Enviar um comentário